terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Timão na mão

No desenvolvimento de um projeto, a alçada presente, a armada latente, o som dos tambores batendo, rumando o barco à frente, enfrentando mares bravios, ondas que levantam o barco e tiram a certeza do destino, tirando os marujos mentalmente do rumo, questionando a si mesmos e a suas capacidades. "Conseguiremos chegar?"

É nesse momento que o capitão competente e líder inspirado amarra os nós mais forte do que munda, segura o timão com força

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

e-Gov - O uso da tecnologia no governo

Tecnologia é só uma ferramenta, mas uma ferramenta poderíssima.

Processos que demoravam anos para serem analisados e descobertos, como por exemplo, fraudes na declaração do imposto de renda, e eram feitos a esmo, hoje possuem fácil detecção. Imagina antes descobrir quem estava sonegando ou não.



Ou a eleição, que às 20 horas da noite do dia da eleição, já tinha 100% das urnas apuradas? 170 milhões de eleitores, tem noção do que é isso?



Imagina então quanto vai aumentar a arrecadação de IPVA quando implementarem o novo sistema com SINIAV, que usa um sistema igual ao do Sem Parar, onde todo carro poderá ser rastreado quanto ao pagamento ou não de impostos, se é roubado ou não, ou qualquer outro tipo de irregularidade. Vai ser virtualmente impossível roubar um carro e não recuperá-lo ou mesmo não pagar os impostos.


Ao contrário de antes, em que o trabalho era monótono e repetitivo, as tarefas hoje são muito mais de inteligência, trabalhos desafiantes e que trazem benefícios reais, tanto pro funcionário, quanto pro Estado quanto pros cidadãos.

Espero com mais esperança do que certeza de que isso se transforme em diminuição das despesas da máquina pública e eficiência nos serviços.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Pai Rico, Pai Pobre, Leitor Paupérrimo



Tenho minhas ressalvas quanto ao Pai Rico, Pai Pobre. Apesar de muito bem escrito, ele foi baseado em UM exemplo. Muitos bilionários não tem consciência do que os fizeram ricos. Cria-se uma aura gloriosa em torno deles e eles acabam comprando o próprio mito, criando uma nuvem em torno do que os levou àquele caminho.
No caso do Donald Trump foi um que as lições tem que ser digeridas e aprendidas pensando bastante sobre as causas e os efeitos do sucesso dele.


Uma coisa a se prestar atenção nesse livro com "receitas" de sucesso de qualquer forma, são as coisas que o autor toma como óbvias. Por exemplo, a maioria dos livros de fazer dinheiro funciona à medida que você está fazendo alguma coisa para ficar rico. Os autores assumem como óbvio o fato de que você vai trabalhar duro para conseguir isso. A maioria desses autores não tem muito contato direto com o público, e quando tem, não gostam muito de tentar entrar na mente de quem está lendo seus livros, até para não contaminar suas mentalidades.

Uma das coisas que gosto no Anthony Robbins é o fato dele já ser adulto enquanto ainda estava num ponto em que não gostava, e depois ficou rico porque mudou suas mentalidades. Então ele naturalmente tem conhecimento de como funciona alguém que ainda tem as mentalidades pobres e tem os recursos para lidar com esse público.



Mesmo no Pai Rico, Pai Pobre, que tem esse tom de "o dinheiro trabalhar por você", o que parece muito mais como alguém sentado na praia olhando o home banking no notebook vendo a conta aumentar, se você olhar a história tanto dele quanto do amigo Mike, ambos trabalham bem duro pra conseguir chegar onde estão. O Kiyosaki como vendedor da Xerox, Marine, ambas profissões que com certeza tomam muito foco e dedicação para se concretizarem. Ele mesmo fala que o amigo Mike dele é mais rico ainda porque é mais obcecado em trabalhar.

Muita gente lê o Pai Rico, Pai Pobre e depois sai repetindo que tem que fazer o dinheiro trabalhar por ele, que ele não precisa trabalhar, o que é uma imensa falácia. A questão dos ativos versus passivo, é claro, é muito importante, e de importância fundamental pra se ter mais dinheiro do que dívidas. Mas foi feito uma pesquisa no IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), um departamento do governo brasileiro, e descobriu-se que ao contrário do que muito se pensa, a maioria do dinheiro dos ricos vem de salários, não de investimentos ou especulação.

O que é um pouco óbvio, devido ao fato de que para investir, é preciso primeiro ter dinheiro! Não basta ter uma idéia mirabolante, que tem grande possibilidade de dar certo, se não há meios financeiros de colocar isso em prática. E ninguém vai emprestar dinheiro a quem não tem nada. Por isso, se você não recebeu nenhuma herança milionária nem ganhou na megasena, vale muito mais a pena em começar com algum emprego, onde além do salário garantido, você tem acesso a conhecimento especializado e conhece pessoas, que podem orientar o seu caminho. Depois você abre o próprio negócio, ou abre em paralelo ao emprego que você já exerce.

Nos Estados Unidos, ficar sem trabalhar por um tempo para se dedicar a um sonho é tranquilo, mesmo os moradores de rua ganham bônus de 500 dólares todo mês. Mas no Brasil, se parar de trabalhar, afunda nas dívidas ou morre de fome.

Kiyosaki escrevendo seu primeiro livro.

Outro ponto que o autor desse post: http://www.produzindo.net/pai-rico-pai-pobre-ensinando-o-que-os-ricos-ensinam-aos-seus-filhos/ fala é a atenção às leis brasileiras, que são diferentes das americanas. Por isso, ter um excelente contador e um excelente advogado de confiança são fundamentais para se crescer em qualquer negócio. A legislação brasileira é complexa em muitos pontos. E não só isso, o desencontro das muitas regras e a maneira como as regras são feitas para atender apenas o governo torna difícil a um leigo ou mesmo a um empreendedor aplicado e estudioso saber em que terreno está pisando quando se trata da burocracia governamental. Conselho do Warren Buffet: "Se não conhece jóias, conheça o joalheiro.".


"As fotos? Essas são as pessoas mais importantes pra mim - 
minha esposa, meu contador e meu advogado."

Não tenho nada contra esse tipo de livro, tenho vários na minha estante, só tenho cuidado ao ler, para não seguir fielmente tudo que tem no livro só porque deu certo no caso específico do caso do autor. Gosto de ler todo tipo de literatura a esse respeito, mas principalmente ter a minha análise de como eu vejo que a coisa aconteceu.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Modelo de cadastro de hóspede

Para conhecer um sistema de controle de internet, chame a Torres.



FORMULÁRIO DE REQUISIÇÃO DE RESERVA

Seus dados serão enviados de forma segura, sendo acessados somente por pessoas autorizadas.

Por favor, preencha todos os campos marcados com o sinal . Os demais podem ser preenchidos, mas não são obrigatórios.

Nome:

Endereço:

Cidade: Estado:

CEP: País:

E-mail:
Telefone:

Fax:


Número de Apartamentos: Tipo de Apartamento:

Single Double

Número de Adultos: Número de Crianças:

Data de Chegada? Dia: Mês: Ano:

Bandeira do cartão de crédito:

Nome do titular do cartão:

Cheque do banco: Agência:

Nome do emitente do cheque:


Faturar para a empresa:
Somente diárias Diárias e extras Diárias e extras exceto:

Data de Saída? Dia: Mês: Ano:


Qual o melhor horário do dia para
contatá-lo(a) sobre a solicitação de reserva?

Comentários:

domingo, 24 de agosto de 2008

Para quem não acredita mais no Estado

Situação: todo dia passava meio dia por uma rua a caminho de casa e sentia o cheiro do esgoto vazando. Nada agradável. Ficava de mandar o e-mail pro site da Casan e reclamar, mas sempre esquecia. Quando lembrei, veio a resposta. Hoje, o problema já está resolvido.


Pra quem não acredita que reclamar funciona, aqui vai a prova:

Fw: VAZAMENTO DE ESGOTO


direc_opercional@casan.com.br
Bom dia,
Já encaminhamos sua solicitação ao setor responsável e o mais breve possível será efetuado a desobstrução. Desde já agradecemos a sua colaboração.
Att.
CASAN
----- Original Message -----
Sent: Monday, August 18, 2008 1:38 AM
Subject: *** FALE CONOSCO - CASAN *** [ enviado para: Vazamento de rede de água ou esgoto da CASAN ]

Sistema de Fale Conosco Website CASAN.

Segue abaixo os dados enviados a partir do formulário presente no website CASAN, no dia 18/8/2008 - hora: 1:38 AM


Ob: 1
Nome: Bernardo João Torres da Silveira
Email: bernardojts@gmail.com
Telefones: (48) 3233-0261
Cidade: Florianópolis
UF: SC
Matricula: 12345678
Mensagem: No bairro Santa Mônica, na esquina da Madre Benvenuta com a rua entre o posto Ipiranga e o supermercado Angeloni, tem um bueiro vazando, soltando um cheiro horrível, principalmente meio dia, quando o sol está a pino.



Foi tão legal quanto quando a minha irmã ligou para a polícia rodoviária - 191 - por causa de Stilo amarelo que estava quase batendo no nosso carro, quando vínhamos de São Paulo, no km 21 da BR-101, já em Santa Catarina. 1 minuto depois, passando pelo posto da Polícia Rodoviária Federal, ela já estava bloqueada.

Faça sua parte, denuncie.

Alguns números úteis:


100 Secretaria dos Direitos Humanos
128 Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul
180 Delegacias Epecializada de Atendimento à Mulher
181 Disque Denúncia
190 Polícia Militar
191 Polícia Rodoviária Federal
192 Serviço Público de Remoção de Doentes (ambulância)
193 Corpo de Bombeiros
194 Polícia Federal
197 Polícia Civil
198 Polícia Rodoviária Estadual
199 Defesa Civil

(retirado de http://www.costamattos.com.br/page006.aspx)

Lidando com frustrações prévias

Muitas vezes você tem uma senssação mas não sabe o que é, ou o seu cérebro sabe, então você age baseado naquilo e não sabe o que foi. Você precisa se conscientizar para saber arrumar. Por exemplo, você deixa de ler um livro porque acha que vai ficar monótono e desiste. Assim que ficar ciente, descubra como não ficar monótono e resolva. Assim que começar a resolver o seu cérebro vai te mostrar mais dessas coisas que não mostra porque agora você consegue lidar sem ficar previamente frustrado.

Anotações sobre A Arte de Fazer Acontecer

Anotações rápidas que eu fiz enquanto ouvia o audiobook do GTD - Getting Things Done, ou "A Arte de Fazer Acontecer".

4 categorias de tarefas:

  • Projetos
  • Calendários
  • Próximas ações
  • Esperando
Calendários:
  • Compromissos com horário específico
  • Compromissos com dias específicos
Informações que você quer saber nos dias:
  • Quem vai fazer o que qual dia
  • Coisas que vão rolar mas você não sabe se vai poder ir / fazer
  • Ajude a se relacionar, usar relações
Mais informações sobre o GTD nesse link.

domingo, 17 de agosto de 2008

7 maneiras de sentir bem nesse fim de semana

Já teve a sensação de estar se sentindo muito, muito bem, e depois de curtir aquela sensaçáo pensar: mas há 5 minutos atrás eu tava sentado na cadeira, fazendo nada? Essas são algumas das coisas que me fazem pensar isso.


1. Ajudar os outros: é uma medida comum do ser humano saber se ele está dando ou tomando valor dos outros. Dar valor é toda e qualquer ação sua que vai gerar um efeito positivo percebido no outro. Como dar atenção a alguém, explicar a matéria a outra pessoa. E tomar valor é quando você faz a outra pessoa investir em você.

Quando há uma troca equilibrada ou pelo menos que busca o equilíbrio, acontece uma relação saudável. Agora, quando é uma relação em que uma pessoa toma e a outra pessoa dá, só tem uma palavra pra isso: mala.


2. Entrar em contato com a natureza: o simples respirar de ar puro pode ser um exercício de contato com a natureza. Enquanto estamos focados em realizar uma tarefa física, mesmo que seja algo tão simples quanto inspirar e expirar, nosso cérebro não consegue no mesmo momento se dedicar a processar informações, deixando sua mente livre apenas para sentir. Além de poder ser algo que você pode fazer do conforto da cadeira em que você está sentado agora.

"música tem o poder de te levar a sensações e memórias
a uma velocidade que só se compara ao cinema"


3. Conectar com os outros: ter aquela sensação de entender outra pessoa, de ver como ela vê o mundo é uma maneira que te põe em contato com o que você tem de melhor e pior em você mesmo. A maneira como você olha o outro é a maneira como você se olha.



4. Escutar boa música: a música tem o poder de te levar a sensações e memórias a uma velocidade que só se compara ao cinema. Escolha músicas que te coloquem no clima que você quer. No meu computador, eu mantenho minhas música separadas por clima. Uma ótima maneira de descobrir músicas no clima e nos estilos que você gosta é o Musicovery.

5. Apreciar a comida que se come: a meditação passa a imagem de ser uma atividade que se faz num quarto fechado, isolado do mundo e ser um tempo que não é produtivo de maneira direta. Mas a meditação pode ser experimentada em qualquer atividade da vida, e é muito mais útil quando feita em ambientes dinâmicos. O simples apreciar da comida, mastigando cada pedaço, e sentindo o sabor da comida, é uma forma de estar no momento e portanto meditando.


6. Viajar: é a melhor forma de ter contato com uma realidade completamente diferente, por um curto espaço de tempo. É simples então comparar a sua realidade com a do lugar que você está visitando e ter uma visão mais completa da vida que se vive. O contato com coisas diferentes te puxa fora da zona de conforto.


7. Eliminar as coisas que não fazem bem: mais fácil é tirar as coisas do caminho que te impedem de te sentir bem. Nem tudo podemos eliminar ou temos recursos, mas temos que avaliar se aquilo que não temos realmente não pudemos abrir mão. No começo é difícil, porque tem aquela sensação de que não podemos nos virar sem aquilo que antes parecia essencial. Mas o ser humano é um ser versátil e consegue se adaptar às situações, se não de forma fácil, pelo menos aguenta.

E vocês, qual a maneira de se sentirem bem?

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Lançamento do N96

Alguns sites anunciam a chegada do N96 pro terceiro trimestre de 2008, na Europa. Acho difícil que ele seja lançado ao mesmo tempo nos EUA, Europa e Brasil. Já que ele no site da Nokia europeu, divulga o recurso de TV como usando DVB, que não é o padrão do Brasil, que usa ISRB.

Mas, na Santa Ifigência "já saiu".

Bom, vou explicar melhor.

Estava eu na casa da minha tia, na minha viagem a São Paulo, quando irmã anuncia:
- Achei o celular que tavas procurando a R$500,00
- Que?
- É! O N96, tá R$500,00 na Santa Ifigênia!
- N96? Mas eu tava procurando o N95...
- Então, mas já lançaram o N96

Santa Ifigênia, N96, R$500,00. Desconfiei. Como nunca tinha ouvido falar do celular, procurei na internet.

Realmente existe o dito cujo. Site: http://europe.nokia.com/A4797549

Tão incrível quanto o N95, só que tem 16Gb de memória.
Outras especificações:
- Câmera 5.0 Megapixels com lente Carl Zeiss
- GPS com sistema de mapas, com navegação ("próxima à esquerda", "próxima à direita") pras principais cidades do Brasil (ia ter me ajudado muito na viagem à São Paulo.
- 16Gb pra guardar vídeo, música, texto
- Acessório opcional Teclado Bluetooth dobrável e leve pra facilitar a digitação de textos maiores (porque digitar texto grande no celular ninguém merece).
- Acessório opcional objetiva de longo alcance, com aumento de 5 vezes para tirar fotos de longe. Bom pra quem está fazendo turismo ou pra espiar simplesmente.

Quase não dormi direito naquela noite. Só pensava em eu usando ele pra me guiar pelas ruas de São Paulo, cujas direções nem os próprios paulistanos conhecem bem, em ver filmes na tela do celular, em postar no blog através do celular.

Cheguei no lugar, o vendedor estava falando com outro cliente, falando das maravilhas do celular. Já pensei: já vem o vendedor me alugar. Enquanto ele fazia a venda pro outro, dei uma olhada nos outros aparelhos da loja. Quando vi que o N96 era o único que parecia remotamente verdadeiro, desconfiei. O aparelho era gigante (o verdadeiro tem 11cm, que não é nenhum mini celular). Do lado, puxava-se a antena retrátil (celular da Nokia com antena?). Puxava a antena, e ela subia, subia, subia, subia. Nunca vi antena tão grande na minha vida. Coloco no programa de televisão e nada pega, só chuvisco. Ok, era TV digital, mas nenhum canal? Procurei então o GPS. Nada encontrei nos menus. Minha irmã pergunta do GPS pro vendedor, que então responde: "ah, é só baixar!"

Um misto de arrependimento e culpa por ter me empolgado tanto invadiu minha mente. Não sabia o que fazer. O vendedor ainda começou a rotina dele, tentando me puxar pra loja, mas dei meia volta e fui embora.

Agora eu rio, mas senti uma decepção muito grande. Mas, esmola demais, santo desconfia, e por aí vai. Vivendo e aprendendo.

Pra verificar se o universo ainda estava nos conformes, fui na banca do lado perguntar quanto tava o N95. R$1.400,00. Ok, o universo ainda não está em colapso.

A única coisa que eu quero saber do N96 é: cabe no meu bolso?

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Meus sonhos, histórias incríveis! - O Aeroporto da sacada aquática

BernardoCAMILAsonhei com a vó
BernardoCAMILAeu ia pegar um avião pra alguma festa ou alguma coisa com aula
BernardoCAMILAnão lembro exatamente
BernardoCAMILAsó que eu tava muito atrasado
BernardoCAMILAe todo atrapalhado, tinha entrado na área de embarque sem fazer o check-in
BernardoCAMILAaí tinha pedido pra deixar a minha mãe trazer as malas
BernardoCAMILAtava eu e a Duda
BernardoCAMILAsó que a Duda ficava toda atrapalhada pra chamar a mãe
BernardoCAMILAnão conseguia
BernardoCAMILAtoda vez que ela ia telefonar, entrava no jogo
CAMILABernardo"as partes " tb n tah formatado
BernardoCAMILAos dois celulares, o meu e o dela só pareciam rodar jogo
BernardoCAMILAnão faziam ligações
CAMILABernardouia, seus compulsivos
BernardoCAMILAaí enquanto a gente tava desesperado, veio a tia Leleth
BernardoCAMILAtrazendo as nossas malas
BernardoCAMILAaí logo depois chega o Léo e o tio Mano
BernardoCAMILAo Léo todo puto por ter corrido por ter trazido as malas
BernardoCAMILA"o vôo vai atrasar em uma hora"
BernardoCAMILAe o Mano: "pq vcs estão todos nervosos se o vôo ainda vai demorar uma hora?"
BernardoCAMILAaí eu fui numa área da sala de espera
BernardoCAMILAque tinha água corrente
BernardoCAMILAera como se fosse uma sacada
BernardoCAMILAsó que em vez de chão, tinha água
BernardoCAMILAe tinham umas pranchas protegendo a entrada
BernardoCAMILAeu derrubo a prancha sem querer
BernardoCAMILAe tenho que juntar
BernardoCAMILAentão eu volto pra uma sala
BernardoCAMILAque tá a vó e mais alguém
BernardoCAMILAe a vó me repreendendo
BernardoCAMILApor alugma coisa
BernardoCAMILAtinha a ver contigo
BernardoCAMILAnão sei se era porque tu não tava junto
CAMILABernardoai jesuis
BernardoCAMILAnão lembro exatamente
CAMILABernardohahaha
CAMILABernardoeu aaamo a Dona Eth
CAMILABernardo=]
CAMILABernardohauahuhuahauhuahuah
CAMILABernardoaté ela, visse
BernardoCAMILAhuahuahuahua
CAMILABernardodeixa eu pensar no sonho como um todo
CAMILABernardoatraso, confusão, água, avião, vó repreendendo
CAMILABernardoqdo ela te repreendeu, tu lembar do q tu sentiu?
CAMILABernardo*lembra
BernardoCAMILAnada
BernardoCAMILAeu lembro que não era algo muito justo
BernardoCAMILAeu sentia tipo: "não sei pq ela tá fazendo isso se x"
BernardoCAMILAnão sei o x
BernardoCAMILAsei que era algo oposto à repreensão
CAMILABernardohumm...
BernardoCAMILAhummm
BernardoCAMILAsimmmmmm
BernardoCAMILAestou vendooooo
CAMILABernardohuahauahhauhauhauhauhauahuahauhauhaha
CAMILABernardotu foi repreendido por algo q não tinha fundamento, então...
BernardoCAMILApois é
BernardoCAMILAsó q era por alguém que eu respeitava
CAMILABernardocom relação a todo resto, fora a parte da tua vó
CAMILABernardoacho q tais com medo de atrasar o projeto
CAMILABernardopor motivos alheios à tua vontade
BernardoCAMILAhm, verdade
BernardoCAMILAde me esforçar o meu máximo e não ser suficiente
CAMILABernardosim, eu sou uma boa interpretadora de sonhos
BernardoCAMILAoh yeah
BernardoCAMILAna mosca
CAMILABernardosó pq vai sobrar tempo e competência, apesar de tu ter derrubado a prancha
CAMILABernardoe sobre a parte da tua vó, deve ser por alguma coisa que tu ache q tá mal resolvida
CAMILABernardoou algo q tu queira dizer/fazer, mas ainda não achou o momento certo
CAMILABernardopq tu foi repreendido por uma pessoa que tu gosta e que te gosta muito, q tu respeita, mas por motivos infundados, aparentemente

Meus sonhos, histórias incríveis!

Eu fui na casa de um amigo, reencontrar ele, que eu não via faz tempo. Na vida real, ele mora numa área urbana, mas afastada de Floripa, Pocadnta de Baixo de São José. Mas no sonho, ele morava numa vila rural, então o que eu lembro é de nós dois no ônibus sacolejando pelas estradas de barro, com subidas e descidas íngremes, e mata atlântida passando pelos dois lados da estrada.

Chegando lá, saímos da casa dele e fomos andar de bicicleta. O lugar era um bairro com vários morros em volta, e estradas de barro, muito, muito íngremes que davam acesso às casas do morro. Como se fosse uma favela.

O pessoal usava esses morros pra andar de bike. Subir o morro e descer à toda. Chegando lá, um cara que eu não conhecia vêm me contar todo empolgado da nova estrada que fizeram:

- E aí velho, viu a nova descida que fizeram? Tá animal!
- Não vi velho. Eu lembro daquela outra. Mas essa foda aí eu não tinha visto. Vou lá descer.

Aí nisso que eu tava conversando com ele, eu inocentemente tinha deixado minha bike no chão. Quando eu volto pra olhar ela, ela tá SÓ NO QUADRO! Sem roda, cubo, guidom, nada! Fico irado e vou atrás.

Eu acho um suspeito, uma pessoa, da cor negra com uma camiseta do Flamengo, que ficava rindo o tempo todo pra mim. Lembrando aqui, parecia bastante com o Saci Pererê, que aprontava e ficava rindo no canto. Intimo ele e ele fala que vai devolver depois. E sai correndo!

Nisso começam a subir e descer vários trens do morro, e eu tenho que pular de um pro outro, e pular na linha do trem, e subir de novo no trem, e pular pra outro pra não ser esmagado. Nessa correria toda, o assaltante foge.

Desisto, vou pra casa de ônibus com o meu amigo. A gente começa a conversar com duas gurias que eu já tinha visto no ônibus outras vezes que eu tinha ido na casa dele. Eu não lembro da gente chamar elas pra casa do meu amigo, o que eu sei é que magicamente enquanto a gente conversava com elas, a gente não tava mais no ônibus, tava na casa dele, num quarto rústico, de mobília de madeira.

Estávamos lá, cada um com uma guria "conversando" na cama, quando o Roberto sai do quarto com uma ligação daqueles telefones antigos de rosca chamando TRRRRRRRRIMMMMMMM TRRRRRRRIMMMMMMMM. Era a polícia ligando pro Roberto, esse meu amigo, avisando que os bandidos estavam numa área próxima à casa dele, perto de um supermercado. Ele vai pra lá e me liga pro celular avisando.

Eu deixo as duas meninas sozinhas no quarto, passo por um quarto onde tavam dormindo em várias camas, as irmãs, primas e a mãe do Roberto, que me passa o meu tênis pra mim vestir. Estavam todas de camisola, e todas me olhando, seja pelo calor da situação, seja por eu estar lá indo atrás dos bandidos.

Sai e fui em direção à sacada da casa. Nisso vejo na rua, dois jardineiros suspeitos, limpando o terreno na frente de uma casa. Essa casa tinha uma garagem que tinha duas entradas, e estava com os dois portões abertos, ou seja, poderia servir de acesso de uma rua à outra. Nisso vêm alguém, mais suspeito ainda, com uma bicicleta, e entra na garagem da casa, e atravessa pra outra rua, que dá acesso ao dito supermercado. Os dois "jardineiros" começam a gritar:

- PEGGAAAAAAAAAAAAAAAAAA

E correm atrás. Nesse meio tempo, eu já tou descendo as escadas, atravesso a garagem da casa, chego na outra rua com o suspeito já no final da rua, os policiais disfarçados na metade. Vou correndo atrás, quando chego no final da rua, o policial tá lá, cansado, de bicicleta.

- E aí, eu sou amigo do Roberto e do Emannoel, esses caras roubaram a minha bike!
- Ah, do Emannoel!
- Grande Emannoel!
- Hehe

Pego a bike da mão dele e vou atrás do bandido. Era uma bike tosca, com guidão com a borrachinha estourada, sem marcha, toda preta, mas mesmo assim vou pedalando à toda atrás do bandido. É um viaduto comprido, estreito. Eu já tinha perdido o bandido de vista, mas mesmo assim continuo.

De repente, do viaduto, avisto muitas casas, umas perto das outras, com um telhado de cada cor. As casas eram brancas, mas os telhados eram rosa-pink, verde-limão, azul bem cintilante.

Meu instinto manda ir atrás dessas casas, então eu vou à toda, empino a bike, pulo com ela do viaduto e caio em cima de uma das casas. O telhado da maioria das casas tinha uma parte de concreto, então não quebrou muito a telha, mas à medida que ia pedalando em cima das telhas, eu só ouvia aquele creccc delas rachando. Passei a primeira casa, tive que pedalar, empinar e pular na próxima.

Nessa segunda já praticamente afundei em cima das telhas, estourando tudo que era telha que tinha. Nisso faz um barulho fudido. Enquanto eu pedalo, eu olho pra frente, dá pra ver que a rua vai ficando mais íngreme.

Eu não consigo nem terminar de avaliar a situação, porque por causa do barulho um velhinho saiu da janela e deu um tiro pro alto. Eu não posso parar, continuo pedalando. Só que dessa vez a casa tá alta demais. Eu solto o guidom, abro as pernas pra bike cair, e me seguro com o braço na beirada de concreto do telhado. Foi forte o impacto, mas deu pra aguentar.

Olho pra cima e vejo uma casa um pouco diferente. Ficava no final do morro, então a casa tinha uma mini varanda em volta e do lado da casa tinha uma varanda maior, que tinha um barracão.

Subo o telhado e vejo que nessa casa um pouco mais alta, uma guria de uns 19, 20 anos, morena, sai na janela e vêm com um revólver em punho. Dessa vez, é na minha direção. Enquanto ela tá apontando, eu corro pra onde ela tá, o que me deixa fora do campo de visão dela. Quando ela atira, erra.

- Eu tou atrás de um bandido! Eu tou com a polícia! - eu grito.

Ela não atira mais, então eu me seguro no beiral da varanda dela, e subo. Ela me acode, pergunta se está tudo bem e eu vou atrás do bandido. Alguma coisa me diz que ele tá atrás daquela casa.

Atrás da casa, têm um barraco de madeira, e ele tem uma janela pra varanda da casa dessa guria. Eu vou em direção a ele, só que nisso, têm duas pessoas, muito muito suspeitas. Eu só falo "Opa", e vou pro barracão da casa da guria, aonde tem muita gente, parecia uma festa, fora a falta de música. Nessa olhada rápida no barracão, deu pra ver que passava uma rua do outro lado do barraco, e que poderia ser o ponto de fuga pra mim ou pros bandidos.

Eu vou ligando pra polícia, só que antes mesmo de eu discar, eu ouço tiros e todo mundo correndo pro barraco de madeira dos bandidos.

Eu fico ali no barraco, sem saber o que fazer. E pensando em algum jeito de entrar lá.

Nisso eu ouço uma explosão de dentro do barraco e muitos, muitos policiais com colete, capacete, luva, a aparelhagem toda, com "POLÍCIA" em branco bem grande escrito no peito e nas costas, andando rápido pra dentro do barraco.

Fico com muito medo que os dê a louca nos bandidos e eles comecem a atirar em algum inocente, fico puto com a cagada que a polícia tá fazendo.

Tempos depois, estou na casa da minha vó, depois do incidente. Ela mora perto do lugar aonde aconteceu a perseguição. Aí estou eu lá, querendo saber o que houve, porque não lembrava do que aconteceu depois que a polícia entrou no barraco, vou atrás do lugar. Nisso encontro, atrás de uma porta, encontro meu tio, um machão fanático por rock, chorando. Eu pergunto o que tá acontecendo, ele grita:
- Não interessa, fecha a porta!

Eu deixo ele no canto dele e sigo. Nisso eu vejo ele passando com dois caras, altões, cabelão arrepiado, um deles pintado de branco, com roupa de couro, botina com salto andando pra dentro de uma casa ali perto.

Aí entro na casa da minha vó, pra ela contar as notícias, encontro lá minha vó, minha tia, duas primas minhas, minha mãe e meu tio.

- Sim, mas alguém morreu?
- Sim, 3 pessoas - minha mãe responde.
- Eu sabia, que burros

E começo a contar a história toda pra eles.

Nisso, sei lá porque, uma prima minha começa a pagar peitinho, meio coçando os seios. Logo depois a outra prima. E meu tio dá uma de adolescente bobão e fica apontando.

Aí eu acordei ;D

Po, contando a história toda, eu fico me perguntando: PORRA, CADÊ A MINHA BIKE!?

sábado, 12 de julho de 2008

Python e Visual Studio!

MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS! MEU DEUS!

Ainda estou em estado de choque!

Uniram as três coisas mais fodas do mundo da programação na atualidade:

A IDE MAIS FODA: Visual Studio 2008
A LINGUAGEM MAIS FODA: Python
O FRAMEWORK MAIS FODA: .NET

Python com auto-complete! Python com Intellisense! Vou programar por pensamento agora. Praticamente não vou precisar mexer o dedo. Ortopedistas do mundo, tremei! Nunca mais um caso de LER aparecerá em seus consultórios!

Tão legal ficar empolgado com programação de novo, uma atividade há muito eu tinha perdido o tesão!

E sim! O auto-complete funciona tanto pro .NET quanto pra qualquer programa básico de Python. É óbvio que se fizer bruxaria tipo alteração do objeto em runtime o Intellisense não pega, mas pra 99% dos casos, é gol de placa neguim!



Nunca mais programar Forms usando aquele wx tosco!

Ironnnnnnnnnnnnn Pythonnnnnnnnnnnnnnn




Agora vou lá entrar em alpha porque atingi o nirvana da programação. Obrigado. E boa noite.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Mudei o design do blog

Todo mundo tem a esperança do próprio blog ficar famoso. À medida que não vai dando certo, vão abandonando. E cria esse cemitério de blogs abandonados, porque não tiveram a persistência de achar seu nicho, melhorar o design, a divulgação e outros detalhes importantes.



Como eu acredito mais em desenvolvimento iterativo, vou mudando aos poucos as coisas aqui, achando qual é o meu lugar nessa blogosfera linda e iluminada, que é a brasileira, de um povo bem humorado, que não tem mais o que fazer do que ler blog e ver putaria.

Mudei o favicon pro da Minha empresa, que eu amo. Obrigado ao Allan, da Drawnet, que fez esse logotipo, que representa algo ligado à engenharia, mas moderno e ao mesmo tempo bonito.

Tava lendo um post sobre a Wenetus, empresa que admiro pelo que atingiu em pouco tempo e pela dedicação dos criadores. Fizeram um post sobre o primeiro ano e mostra o quanto uma empresa pode atingir em um ano, se se dedicar a isso.

Eu ainda não tenho a velocidade que eles tiveram, de fazer tantos projetos em tão pouco tempo, até porque desenvolvimento é uma área que toma mais tempo e os projetos são mais longos. Mas acredito que eu posso diminuir esse tempo à medida que for criando minhas bibliotecas internas.

Tava meio aéreo, procurando me achar num projeto que eu tou fazendo e que apesar de ter bastante tempo pra fazer, queria terminar logo pra já partir pra fase de testes e aperfeiçoamento, que eu sei que vai demandar mais tempo que a fase de construção inicial.


Mas ouvir David Guetta, que eu presenciei tocar e berrei a plenos pulmões "Love is Gone". Dá uma olhada esse berro em 1:57. C'est moi, ma chérie.

Como é feito o trabalho de inteligência na polícia brasileira

Foi publicado no blog do Cacau Menezes, mas como acredito que não foi ele que escreveu, e sim o inspetor-chefe, reproduzo aqui.

Excelente para ver como o trabalho de investigação anda se especializando com a ajuda da tecnologia da informação. Só tinham que arrumar nomes melhores pra esses sistemas. É tudo uma coisa insípida. Pelo menos já passamos da época das siglas, que algumas empresas de tecnologia adoram adotar (GTO, NTO). Depois reclamam que isso não é divulgado ou que o produto não consegue vender. Coitado do vendedor que tem que divulgar um sistema chamado GTC, APD, ou qualquer porcaria assim. A Polícia Federal é que é esperta. Cria nomes incríveis pras operações. Por isso sempre tem cobertura na mídia.

A respeito da apreensão de 627 quilos de cocaína pura procedente do Equador, efetuada no Porto de Imbituba, em primeira mão, Cacau conseguiu algumas informações com Mario Reifegerste, inspetor-chefe da Inspetoria da Receita Federal do Brasil em Florianópolis.

1. A apreensão da droga, na verdade, foi decorrente de um trabalho de inteligência denominado "análise de riscos", que se dá através do cruzamento de diversos dados disponíveis nos sistemas da Receita Federal, contendo informações de operações de comércio exterior (importação e exportação), movimentação financeira, dados fiscais e informações sobre movimentações dos contêineres de empresas; ou seja, um trabalho inteligente efetuado por auditores fiscais capacitados para tal.

2. a partir do cruzamento de dados, o setor de Investigação da Receita Federal identificou que havia uma forte suspeita sobre uma determinada empresa que operava no comércio exterior, que importava óleo de palma do Equador e exportava parafina líquida para a Bélgica, sempre utilizando os mesmos contêiner-tanques. (Detalhe: Santa Catarina não é produtora de parafina líquida, sendo que este produto é produzido na Bahia.)

3. Utilizando um sistema recém implantado pela Receita Federal, denominado "Siscomex Carga", que controla todas as operações de comércio exterior do país, a equipe de investigação identificou que a empresa suspeita, que era sediada em Fortaleza e possuía uma filial na cidade de São José (SC), acabara de receber um contêiner-tanque contendo óleo de palma, procedente do Equador, que se encontrava armazenado no porto de Imbituba, aguardando os procedimentos de importação (registro da declaração de importação e pagamento dos impostos); Este container, que na verdade já estava com a droga oculta, seria utilizado em um momento subsequente, para exportar a cocaína para a Bélgica, numa operação de exportação de parafina líquida, o que não chamaria a atenção das autoridades daquele país.

4. A partir de todas as evidências acima, a Receita Federal passou a monitorar o contêiner, dentro do Porto de Imbituba. O objetivo da Receita Federal era levar o contêiner na quinta-feira (29) para o Porto de Itajaí ou de Navegantes, onde seria submetido a uma inspeção através de um moderno equipamento de raios-x (scanner), para tentar identificar uma possível existência de drogas ocultas no equipamento.

5. Para confirmar a suspeita de drogas, a Receita Federal solicitou à Polícia Civil de Santa Catarina uma inspeção do container através de cães farejadores. Atendendo a solicitação, o Delegado da Polícia Civil e treinador dos cães, Eduardo Hahn, esteve no Porto de Imbituba na quarta-feira, 28, com dois cães farejadores.

6. Os dois cães utilizados foram certeiros, demonstrando através de seu comportamento que não restava dúvidas de que havia drogas ocultas em uma das extremidades do contêiner-tanque.

7. A partir desta confirmação, a Receita Federal acionou a Polícia Federal, através do Delegado João Vieira, da Delegacia de Entorpecentes, que com sua equipe se dirigiu ao Porto de Imbituba. Também foi acionada uma equipe do corpo de Bombeiros, para auxiliar nos trabalhos.

8. Havendo forte suspeitas, a Inspetora-Chefe da Receita Federal em Imbituba autorizou que o contêiner-tanque fosse cortado, o que foi efetuado pelo Corpo de Bombeiros, após o que foi identificado em seu interior um compartimento preparado, onde foram encontrados os pacotes contendo 627 quilos de cocaína pura, apreensão recorde em SC, que seria destinada para a Europa.

DETALHES

Esta empresa possui mais 5 contêineres-tanque alugados em seu nome, que podem estar sendo utilizados para transportar cocaína, razão pela qual a Receita Federal continuará as buscas para tentar localizá-los e tentar identificar outras cargas de cocaína. Entre 2006 e 2008 a empresa efetuou 6 exportações de parafina líquida para a Bélgica, utiliizando-se de contêiner-tanque. Isto significa que podem ter sido remetidos para a Europa, através destas operações, o equivalente a 3 toneladas de cocaína pura (ou US$ 30 milhões), o que somente foi interrompido graças ao trabalho de inteligência da Receita Federal do Brasil,com o apoio das Polícias Federal e Civil.

A Receita Federal está prestando todas as informações necessárias para a Polícia Federal, e espera que nos próximos dias a Polícia Federal efetue a prisão dos responsáveis por toda esta operação de tráfico internacional de entorpecentes.

A operação contou com o apoio fundamental da Polícia Federal , Polícia Civil e Corpo de Bombeiros, sem os quais entendemos que não teria alcançado os objetivos. A Receita Federal também acionará as autoridades da Bélgica, para que seja efetuada investigação na empresa que importava as cargas de parafina líquida, o que entendemos que era somente um pretexto para o envio da cocaína para aquele país.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Blá blá blá, eu me amo

Eu tou surtando lendo um texto aqui sobre autenticidade.

Quantas e quantas não foram as vezes em que não fui autentico aos meus desejos, e fui mais autêntico à imagem que eu queria criar pra mim mesmo e pros outros, pensando em recompensas outras que valessem o esforço de colocar a máscara.

Medos vêm à tona quando se pensa em ser autêntico e se fazer o que se quer. Será que eu vou jogar tudo que eu fiz fora? Será que o que eu tenho dentro é bom ou mesmo socialmente aceitável. Teria eu um monstro dentro de mim?

À medida que vou tentando colocar pra fora meu autêntico eu, forças como esses pensamentos supracitados me puxam, na minha mente é físico, eu sinto alguém me puxando à medida que eu vou fazer esse esforço pra ser autêntico.

No passado eu queria esconder isso de mim mesmo. "Claro que eu estou sendo autêntico. Claro que eu estou gostando do que estou fazendo, estudando, trabalhando, sentindo.". Se eu não achava uma razão imediata (quase nunca existia), eu sempre puxava pra alguma razão superior, uma meta a se alcançar. Mas de que adianta pensar numa causa maior que eu, se eu não posso ficar feliz em nenhum momento do processo? Seria eu um instrumento de uma força maior, de um objetivo maior? E eu, como fico? ahaha

Bernardinho também quer se divertir, fazer merda, se liberar, relaxar. Ahhhhhh, meu peito vaza o ar à medida que eu vou soltando as amarras que me prendem. Muito bom isso.

Comigo isso sempre aconteceu como uma maneira de esconder meus reais sentimentos e intenções. Buscava esses ideais enquanto os outros (ou pelo menos pensava assim) seguiam suas vontades terrenas e não supremas.

Agora eu tenho que lidar com aquele sentimento: "Eu queria fazer isso, mas não consigo. Eu queria fazer aquilo, mas não posso.". Ter que lidar com esse peso, essas frustrações, parece mais difícil do que inventar lindas historinhas sobre mim, mas é o peso da autenticidade. Que se esvai aos poucos à medida que não poder fazer certas coisas deixa de significa qualquer coisa sobre mim. Aquilo de "ah, não faço isso porque eu não sou bom o suficiente" não aparece tanto na mente.

E o fueda é, pelo menos pra mim, nunca veio como um diálogo claro: "você não consegue fazer isso, você é um bosta" como eu vejo nos filmes aquele diabinho e o anjinho falando. Mãs, ao besbo tembo, é como se fosse a minha vontade. Meus julgamentos sobre mim mesmo dá uma travecada e se veste de vontade, dizendo que eu quero fazer tal coisa, apesar disso estar longe da verdade. Travequismos mentais só complicam quando quer se arrumar esses comportamentos, ainda mais quando é difícil achar o pomo de adão. Aí só verificando a voz, pra ver se bate com o que a gente acha que realmente é nossa vontade. E também é mais fácil de ver isso quando se vê se a vontade está dentro do terreno das vontades primitivas, o que é sempre um ótimo sinal. Comer, fuder, dormir. Se tá dentro disso, provavelmente é verdade.

Todo o tempo estamos tentando fazer o equilíbrio entre aquilo que nós queremos e aquilo que achamos certo fazer. Eu acredito ainda que podemos conciliar os dois. Mas é bom rever, se aquilo que eu acho certo é realmente o certo.

Esse senso chode de justiça, cria valores lindos pra gente e diz que se brigam comigo, é porque foram injustos! Se eu não consigo o que quero, é porque o mundo é injusto! Porque houveram pessoas que nasceram ricas e eu não?! Isso é injusto!

Oh well, fazer o que. Nasceram assim, parabéns pra eles. Eu vou fazer o meu e buscar a minha felicidade, e não desculpas.

sábado, 5 de julho de 2008

CSS - Donkey

CSS faz juz às declarações de ter virado banda de indie rock.

Jager Yoga começa com um cowbell, levando. "Nós não viemos a passeio" dizem eles.

Rat Is Dead. Mais agressivo que o normal, mas sem stress. Levadinha triste, ressentida.

Bom, o resto eu ouvi sem muita atenção, pois minha atenção foi virando pra outras coisas à medida que fui mu

Esse disco me lembra umas declarações da Madonna, dizendo que não se importava quando perdia ou não a grande audiência, que tinha uma leva de fãs que estavam sempre com ela.

Pois bem, eu sinto saudades do CSS ultra fun e pop.

Vou sempre baixar álbuns pra ver como está, mas não vai ser minha trilha musical por enquanto.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Corpo do padre que decolou com balões é encontrado em Maricá

sexta-feira, 4 de julho de 2008 14:37 BRT

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um rebocador que prestava serviço para a Petrobras na costa do município de Maricá, no Rio de Janeiro, encontrou o corpo do padre Adelir de Carli, que usou mil balões para tentar voar.

O padre, que tinha 42 anos, decolou do sul de Santa Catarina suspenso por mil balões de festa coloridos no dia 20 de abril.

A Petrobras informou que o corpo, localizado na quinta-feira, estava com a mesma roupa e mochila do dia do seu desaparecimento, e foi encaminhado ao Instituto Médico Legal de Macaé para confirmar a identidade.

"As roupas e os tênis indicam que é ele", informou a assessoria da Petrobras.

O rebocador Anna Gabriela estava operando a 100 quilômetros da costa do litoral, próximo à plataforma P-10, da Petrobras. O corpo foi encontrado às 16h e chegou a Macaé na madrugada desta sexta-feira.

A viagem do padre tinha como objetivo quebrar o recorde de permanência no ar com balões preenchidos por gás hélio, mas ele foi surpreendido por um vento forte que o levou para o Oceano.

As buscas pelo padre já haviam sido encerradas.

(Reportagem de Denise Luna)


Mentira...


Fonte: Reuters

terça-feira, 1 de julho de 2008

Como abrir uma empresa

Quando estava iniciando minha empresa, uma das minhas metas é ter controle de todo o processo da empresa, desde o planejamento, à organização, liderança, execução e controle.

E um dos passos da criação de uma empresa passa por conta da elaboração de um contrato social.
Encontrei alguns exemplos no site da Jucesc - Junta Comercial do Estado de Santa Catarina.

Lá há alguns exemplos básicos de criação de Contrato Social. E o modelo escolhido por mim foi a Sociedade Limitada.

Fiz então meu contrato, preenchi com os meus dados.

Me dirigi à prefeitura de Florianópolis (que poderia ter um endereço de site mais fácil, como http://www.florianopolis.sc.gov.br/), para habilitação do endereço. E descobri que há um método provisório de habilitação do espaço físico, que não precisa de muita regulamentação, não precisa ser dedicado somente ao negócio, não precisa da vistoria dos bombeiros e a taxa é muito menor. Apesar de desconfiar da legalidade desse artifício, é um meio desburocratizado de garantir o funcionamento de pequenas empresas que ainda não possuem sede. Mas acredito que parte do motivo de ter esse mecanismo é por bagunça da prefeitura mesmo. Coloquei esse documento em dia e segui pro passo adiante.

O próximo passo é registrar o contrato social na Junta Comercial e ir na Receita Federal. Me dirig à Receita Federal e peguei um guia de que documentos seriam necessários para conseguir o CNPJ. Era necessário definir o CNAE da empresa, que é o código que define qual a atividade da empresa. Escolha com cuidado, pois atividades fora do escopo do CNAE são uma ilegalidade e tem punição prevista em lei (a qual desconheço). Outra pr era o contrato social registrado em cartório e na junta comercial.

Só que como último ajuste, resolvi dar uma checada num contador que é contador de um ex-parceiro (ex por motivos que conto em outra história). Esse contador então me orientou dizendo que o contrato que tinha redigido baseado no modelo da junta comercial estava incompleto e que ele me faria. E que como eu tinha poucos recursos, ele me faria apenas a preço de custo, ao invés de 540, por 480 reais. Não vou dizer quem é pra não pechincharem pra ele, mas sou eternamente grato, porque pago ele não foi ainda, o que corrobora (viu Camila?) a tese de que trabalho mal cobrado é trabalho mal valorizado.

Disponibilizo então o contrato social que está registrado hoje na Junta Comercial pra quem quiser utilizar. Os dados foram alterados por vontade minha.

Seguem algumas instruções de preenchimento e entrega:

No título do contrato vai a razão social da empresa.

ANTONINO DE FREITAS E CIA. LTDA

Escolhi um nome e Cia Ltda. Mas na época gostaria de ter colocado o nome fantasia da empresa. Como Torres Automação Ltda. O problema é que esse nome já estava registrado. Para descobrir se já existe empresa com essa razão social, é feita uma pesquisa de NIRE ou se faz a documentação e tenta a sorte. Só que se não tiver, tem que ser feito outra documentação, e tem que se pagar a taxa (o preço varia de junta pra junta), mas não é bom. Já a pesquisa de NIRE é mais barata: 5 reais cada. Enfim, mesmo que o nome que você desejou não esteja disponível, você pode colocar outros nomes em volta. Dessa forma, quando você for fazer um contrato em nome da empresa, o nome dela aparece mais uma vez, ajudando a fixar a marca. E não fica parecendo one-man-band, que no caso é verdade.

A escolha do sócio. Escolha alguém com quem você vai ter uma relação perene por bastante tempo. Por essa razão muitas pessoas escolhem o pai como sócio. Verifique se essa relação vai se manter boa ou pelo menos pacata por um bom tempo, pois essa pessoa tem a disponibilidade de vender ou não as ações quando você quiser trazer um sócio de fora pro negócio. Porque mesmo que você venda as suas, o outro sócio tem prioridade na compra de ações segundo o contrato social.

Tamanho das cotas. Esse é outro ponto a ser discutido. Esse é um valor que não pode ser tão grande que você não consiga integralizar, nem tão pouco que quando você quiser pedir financiamento a um banco ele não considere. Até porque bancos exigem que o dinheiro já esteja integralizado pra considerar o valor que consta no contrato social. Ele é uma forma dos bancos saberem o quanto você comprometeu dos seus rendimentos para montar a empresa. Mas como o contrato social pode ser alterado, você pode colocar ele pequeno e ir aumentando junto com a sua empresa.


Read this document on Scribd: Contrato Social - Exemplo


Dúvidas? Use os comentários.